quarta-feira, Abril 18, 2007

Jovem recém-licenciada toma rédeas da administração do CHNT... E esta hein??

Vi este post no Voz do Abade.
Fiquei afónica.

A Voz do Nordeste - (Claro, a culpa é dos FP*)


Jovem recém-licenciada nomeada administradoraA Administração do Centro Hospitalar do Nordeste Transmontano (CHNT) ficou completa a partir do início deste mês depois da nomeação de Cláudia Miranda como vogal executiva da mesma Administração.

Cláudia Miranda ainda não tem 20 anos e em termos de currículo está a construí-lo, muito ajudando a actual nomeação política para o lugar de administradora do CHNT. No seu currículo sobressaem as funções de professora substituta do Instituto Politécnico de Bragança, onde seria obrigada a deixar lugar depois de o respectivo titular regressar.

A nova administradora vai auferir o vencimento de 3 000 euros (600 contos) líquidos, acrescidos de automóvel, combustível, telemóvel e algumas despesas de representação. Entretanto, perspectiva-se já que esse vencimento venha a subir para 800 contos líquidos em virtude o actual vencimento ainda corresponder à categoria dos vogais da administração do antigo Hospital de Bragança e não à categoria de vogal de um Centro Hospitalar.

Porque é que uma jovem sem currículo é nomeada para lugar … de tanta responsabilidade… a avaliar pelo vencimento e mordomias?... Será pelas suas eventuais futuras relações matrimoniais com o actual líder distrital da JS?...

Pela ideia que nos "venderam" dele, não nos parece rapaz de deitar a perder as suas convicções políticas por tão pouco!... Mas por que será, então?... Não conseguimos apurar. Objectivamente é o que podemos dizer. Só para terminar, já está a ganhar como vogal da Administração desde os primeiros dias de Fevereiro, mas ainda não se apresentou ao serviço!...
BONITO EXEMPLO DO POLITICAMENTE INCORRECTO...!
* Funcionários Públicos.

sexta-feira, Abril 13, 2007

liberalização da propriedade das farmácias

Esta proposta de lei é finalmente palco de discussão na AR.

Será que é desta que um dos maiores lobbies da sociedade portuguesa será questionado?

Terá finalmente o Estado a coragem necessária para desafiar (e ir até o fim) o sui generis presidente da A.N.F., defensor acérrimo da sua dama -dona Farmácia, o Dr. João Cordeiro?

A direcção técnica das farmácias mantém-se inalterada, justamente. Só um farmacêutico pode ser responsável pela (digamos, correcta) venda de medicamentos.
Mas não poderá um anónimo cidadão, não farmacêutico, com muitos euros na carteira (muitos, muitos....), adquirir um qualquer estabelecimento com uma direcção técnica farmacêutica a seu bel prazer? Não terá esse direito??
Da mesma forma que um cidadão anónimo, não gestor e/ou economista, poderia comprar uma empresa de consultadoria e nomear alguém competente na área para lidera-la.
Afinal de contas, vivemos numa sociedade livre.

Será desta?

Sinceramente espero que sim.
Mas o meu 6º sentido feminino (que nunca se engana e raramente tem dúvida...) diz que não. A coisas que não se consegue mudar (para melhor). Porque a tradição ainda é o que era...

segunda-feira, Abril 09, 2007

aLIVE!!!!

-'Alive & kicking'!
Não, isto não é uma alusão estilo VH-1 aos defuntos Simple Minds nem uma manifestação anti-aborto fora de época (e calem-me esses movimentos!).

Só para dizer que voltei.
Sim, voltei!!
(e isso interessa? -pensam os sarcásticos)
Claro que sim -responde o meu 'ego' irónico).

De regresso.
Regresso de umas (merecidas) férias longe da monotonia tuga. Leia-se, sem ouvir falar das peripécias bollywoodescas do nosso desporto-rei (e como o Messias Rui Costa nesta época de Quaresma que não consegue fazer o milagre da ressurreição do Benfica) nem de quem é o tubarão no aquário de novelas da TVI(e afinal quem era?).

Fugi.
De malas feitas e sem abraços melancólicos de despedida.
Assim é mais fácil.


Não pensem que eu penso que fugir é a melhor solução.
Nem às vezes. Nunca.
Não é solução para a resolução de 'algo' que perdura. Não.
Apenas para ganhar tempo.
E é o tempo que nos faz amadurecer as ideias e nos torna mais sólidos.

Para aonde?
NY, the empire state.





A cidade que foi anfitriã do sexo que extasiou milhares de mulheres que semanalmente abraçavam o pequeno écran (e acreditam meus senhores, esta proeza não é fácil...), que tantricamente acoplou vários globos de ouro consecutivos, que que pôs a nu a Carrie que há em todas nós (no meu caso, seria mais a Charlotte)...
E já não falo das várias Samantha's que quem me cruzo diariamente...
(volta Sarah Jessica Parker, estás perdoada!)

A cidade que, segundo Madonna, nunca dorme (mas para ela também não deve ser difícil, certo?)

A cidade dos arranha-céus, da agitação luminosa da Broadway, do melting pot liquefeito, do suburbanismo negro de Harlem, da elegante branca Village, do memorial permanente ao nine-eleven, do central park domingueiro, dos guetos milionários, dos novos ricos e dos miseráveis que hão-de sempre continuar a sê-lo. Miserables.

Voltei.
Vim de férias.
Corpo cansado, mas de cabeça mais leve.
Bolso também (na gíria boxeur, já na categoria 'mosca'.)

Pronta a (não) reanimar....